Nav

domingo, 29 de janeiro de 2017

NEW YEAR, NEW LIFE

Bom Ano!!!


Sim, vou com 29 dias de atraso, mas vou a tempo. Tanta coisa para escrever, tanta experiência que ficou em mim, mas que parecia não querer sair em palavras para lado algum.
Tenho reparado que toda gente se rendeu a esta coisa dos blogs ( dá-me vontade de rir), porque a maioria eram pessoas que gozavam comigo porque era blogger e não atriz. Vocês devem estar a pensar - 'Não pode ser ambas?', pois, pelos vistos, (não) pode.

Mas vida de ator é complicada gente, nem sempre há trabalho, nem sempre há talento, nem sempre há o fator crucial : SORTE.



Há quem diga que a sorte só sorri aos audazes, mas também há quem diga que muita gente nasceu com o cú virado para a lua e tudo lhe 'cai' no colo. Qual destas 'popularices' está correta? bem... depende de como o vento sopre para o nosso lado, vamos acordar e concordar mais com uma ou com a outra, não é verdade?

Lembro-me de 'brincarem' comigo, dizendo o quão fútil é ter um blog, lembro-me em deixar de publicar por vergonha, achar que não poderia ser levada a sério como atriz se tivesse um blog. Raios partam, não sou levada a sério, seja de que forma for. O motivo? Há quem diga que é o meu instagram (risos).

- Estás sempre a viajar, as pessoas acham que não precisas trabalhar.

Isto foi dito por quem sabe como funciona o mercado ( o que me assusta). Afinal, se mostro estar feliz e a ocupar o meu tempo, é sinónimo de riqueza, de não querer nem precisar trabalhar?

É triste. Secalhar terei de fazer uns paparazzis combinados, a pedir esmola na saída do metro da baixa-chiado. Simplesmente estive este ano a viver. Sim, entre viagens, duas publicidades, um trabalho temporário, workshops , voluntariado,  ganhei e perdi algumas coisas, mas vivi, obrigada.

Pois bem, eu tenho um feitio muito complicado,  para piorar a situação, também sou muito sonhadora, atrevo-me a dizer, lunática, sofro do síndrome de Peter Pan, algo que nada abona a meu favor. 
Acho que o tempo parou nos meus 18 anos, mas os espelhos, os problemas nas articulações mostram-me que estou errada. Posto isto, recuso-me a ser hipócrita, lamber cús e pedir favores ou pedinchar. Não achem que é falta de humildade, ora aí está o cerne da questão. O que me irrita é isso mesmo, é eu não ter falta de humildade, é ter secalhar, excesso dela.

Tudo o que é demais estraga. E a humildade não é exeção à regra. Claro que isso não faz de mim a pessoa mais querida e humilde do mundo, porque não o sou. Eu não perco a chance de provar quando tenho razão, eu gosto de ter sempre razão, mas também sou muito defensora das pessoas e das causas em que acredito e muitas vezes tomo as dores dos outros e 'lixo-me' por querer ser a voz dos outros. Afinal, só temos uma boca, por alguma razão, mas eu às vezes esqueço-me disso. Tal como a insegurança. Quem não me conhece, julga que sou alguém super segura de mim, confiante, acho-me a última coca-cola do deserto. Errado. Não pensem que a maioria das atrizes bonitas e 'famosas' são pessoas cheias de auto-estima, na maior parte das vezes são umas frustradas, nunca nada está bem, estão sempre a afogar as inseguranças em anti-depressivos, ou em fotografias com mais edição do que as produções cinematográficas Hollywoodescas. Podem não ter razões para tal, mas essas pessoas encontram razões e desculpas em tudo. Claro que algumas, sendo comuns mortais, têm problemas na vida como todos nós temos. Nunca tudo está perfeito, nunca podemos ou devemos invejar a vida alheia, porque nas redes sociais tudo parece ser perfeito. Porque é uma ilusão, é utópico pensar assim ( se bem que passo a vida a fazê-lo, vocês não são as únicas).

Parece que o instagram serve como competição, ora quem tem mais followers, quem tem mais patrocínios, mais fotos de viagens, fotos que transbordem felicidade e um corpo são.

Mas cansa. Eu tento ter algum cuidado, deixei de postar fotos minhas com comida e baba a sair da boca. Tento até às vezes colocar um filtro, tento ser o mais parecido com uma blogger que consigo. Conclusão? Volto a falhar. Secalhar sou mesmo a falhada destas coisas dos blogs.
Eu não consigo fazer disto um trabalho, não acho piada em ir para a rua armada em modelo com o armário todo atrás. Não gosto de aceitar parcerias com marcas, porque sou uma baldas e depois esqueço-me de tirar fotos decentes e também porque muitas vezes estou-me nas tintas para as roupas que me vão dar, até porque não tenho espaço para elas. E às vezes acho que criei alguma fobia social e é apenas isso.

Quando aceito publicar algo duma marca, é porque gosto mesmo e acredito. Mas já indiquei a várias marcas, nomes de amigas ou bloggers, atrizes que estão na berra e vão dar muito mais retorno.

Eu já para responder aos emails é um filme. Para parceria com a uber demorei 2 meses a responder, para dizer que ia estar 2 meses fora de Portugal. Simplesmente porque o mail do blog não é o meu pessoal, mas acima de tudo porque desmotivei-me e nunca levei realmente este blog a sério.

Também é verdade e, algumas de vocês sabem, eu tinha outro blog, numa altura em que só a Pipoca mais doce era blogger,  um blog criado em 2006, mas antes desse que era público, eu tive outro , privado, criado em 2004. Em 2004 quem tinha blogs? Acusem-se.

Algumas das pessoas preferiam o meu antigo blog, porquê? Porque não havia pressões. Porque eu escrevia o que me dava na cabeça, porque não tinha feito ainda novelas, era uma miúda na faculdade, tinha o blog e ninguém usava nada do que eu escrevia para me atacar, criticar ou achar que sabia da minha vida.


Lembro-me que quando resolvi ter este 'novo' blog, tive a parceria com a Marta, da martilicious food, quando ela estava a nascer. Fico feliz que ela tenha crescido, faça os workshops e tudo mais e realmente se eu tivesse pegado nisto à séria, ainda hoje ela escreveria.
Hoje em dia os blogs são meramente negócios. Que outro motivo, levava à criação em massa de blogs, até por parte de tantos atores e companhia? É a sede de negócio, dinheiro, esta maquina que é os blogs, gera muito dinheiro. É publicidade barata para as marcas. E publicidade com um bom retorno. E eu acho muito bem que exista esta vaga de blogs, acho bem que inspirem as pessoas, ocupem o vosso tempo livre, mas isso não invalida que seja um negócio.


Mas torna o mundo menos genuíno, menos ainda do que já era.

E depois, quem anda nisto por lazer, vê tanta coisa bem feita, bem organizada, equipas inteiras a trabalhar para um blog, produções fotográficas dignas de revista, ora ora, uma pessoa desmoraliza. Pensa que tem de estar à altura, tem de aceitar as parcerias, tem de fazer boas sessões fotográficas, tem de ter muito tento na língua, tem de escrever o que outros querem,  tem de crescer, tem de... VENCER.


Mas vencer porquê? Não quero competir com ninguém, não quero ser melhor que ninguém, não preciso ser, não gosto da pressão em ter de estar à frente. Até porque isso traz sofrimento a quem realmente vive para vencer em tudo, pessoas que sofrem se ficam em segundo lugar.

A quem possa, de alguma forma, invejar alguma coisa em mim, por favor não o façam. Porque a minha vida está longe de ser um mar de rosas, parece mais um lago cheio de piranhas e eu estou com várias cicatrizes já.
Aliás eu perco seguidores no insta todo o santo dia,  vários começam a seguir mas devem outros mil deixar. Eu desde janeiro do ano passado, não ganhei seguidores. Ora ganho 300, e a seguir perco 400. Portanto, não sou um bom investimento para me virem convidar para o que seja.
Eu perdi parcerias com a Billabong, para ser embaixadora, porque por respeitar a marca e quem estava a fazer o convite, achei que não seria uma boa escolha. Adoro a marca, mas sei que ia sentir-me pressionada para ter boas fotos, maaaaaas eu não tenho nem máquina fotográfica xpto, em tenho namorado, irmã, amiga ou alguém a tirar-me fotos. Acontece quando o rei faz anos.
Eu sou um péssimo investimento para todas essas marcas. E não pretendo mexer-me para mudar isso, porque aquilo que quero fazer é simplesmente o que me der na cabeça. E poder estar aqui a escrever isto, é sem dúvida sentir um pouco essa liberdade de que vos falo.


Portanto, esta necessidade que senti nestes últimos dias, durante a minha estadia na Grécia, foi saudades de escrever o que me der na gana. Aqui está. Leia quem tiver de ler. Tão bom.


Ah, já agora , se os produtores, agentes de Hollywood estiverem a ler isto, eu não estive num resort, estive mesmo a resgatar gatos de rua e a castrá-los, porque são aos milhões lá, ninguém faz nada, Atenas parece um país de Terceiro mundo no que respeita a não tentarem combater a natalidade de animais de rua. Mas fiz o que fiz, porque é o que me faz Feliz.

Se me perguntarem se tenho saudades de voltar à televisão? tenho saudades de voltar a representar, não da televisão em si.


Tenho saudades em acordar cedo para fazer aquilo que gosto e receber ao fim do mês por isso. Mas se eu recebesse por ajudar animais ou viajar, estaria igualmente feliz.


E parcerias quero com comida. Alguém me arranja parceria com a Danone? É que levo malas de porão cheias de Oikos de caramelo, porque na Grécia não há iogurtes bons como os nossos, é tudo tretaaaaa. O iogurte grego é  cremoso mas mil vezes mais espessos do que os nossos, mas variedades de sabores e recheios maravilhosos como a Danone faz? NADA.


Que grande publicidade gratuíta que acabei de fazer, nem um iogurte vou receber e farto-me de gastar dinheiro porque sou addicted e como muitas vezes. E o meu pai come todos dias. Eu é a única coisa com leite que ainda não desisti, aiii mentira, às vezes marcha um queijinho.

 Já que estou numa de não pôr fim a este texto de bosta e estou a chorar-me toda para receber umas coisas, posso aproveitar e talvez isto dê noticia nas revistas : Estou On para trabalhar. Não, não viajo o ano inteiro. Mas nem sempre me apetece socializar nem sair à noite e ver gente chata que não acrescenta nada à minha vida.

Ser anti-social não significa que não me cultive, lá porque não publico fotos de peças, não significa que não vá ao teatro, tal como cinema, tal como vou ao supermercado fazer compras. Tal como viajar não significa que não quero trabalhar , tal como ser sincera no que digo, não significa que seja louca. Simplesmente sou livre de publicar nas redes sociais o que quero. As pessoas preocupam-se muito com a vida alheia, tudo isto fruto desta fake life que todos temos, criada por facebooks e afins.


Hoje em dia contratam-se pessoas pelo instagram. Vendem-se coisas pelo instagram, acabam-se casamentos pelo instagram. Já nem é pelo facebook. O instagram teve de criar a treta das mensagens, os videos e agora os diretos... imaginem onde isto irá parar, seja para o bem ou para o mal.




4 comentários :

  1. Olá Filipa! Antes de mais digo-te já que gosto imenso do teu blog, mesmo que não escrevas tanto como muitas bloggers, que não publiques fotografias XPTO e que não partilhes 20 mil marcas por dia. Gosto de ler o teu blog, porque as tuas palavras são genuínas e porque (me parece) que escreves sobre coisas que realmente gostas, o que para mim é essencial num blog. Não que seja mau escrever todos os dias, ou tirar fotografias lindas, mas para quê fazê-lo se é algo que não nos diz nada? Para mim o mais importante é sermos verdadeiros, tanto num blog, como no dia-a-dia, sem ligar ao que pensam, ou ao que falam. Se viajas muito, ou não é algo que só a ti te diz respeito, ninguém tem de julgar o porquê de o fazeres, nem o tamanho da tua conta bancária. Se publicas esta ou aquela fotografia é porque gostas dela e que se lixe quem não gosta. Acompanho o teu blog há algum tempo e gosto genuinamente dele, porque fico com a impressão que o que tu aqui publicas é realmente "um bocadinho de ti" e isso é muito mais importante que o número de seguidores que tens!
    Muitos beijinhos :)
    http://sunflowers-in-the-wind.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Queria Matilde, eu não sei o que foi que alterei nas definições do blog ( lá está, sou uma tosca), mas só hoje, vi este teu lindo comentário. Muito obrigada, é por coisas assim que apesar de todos os contras, ainda não desisti de voltar aqui. Obrigada.

    ResponderEliminar
  3. Este é talvez um dos textos mais genuínos que li nos últimos tempos,algo que não abunda na blogosfera ultimamente!
    Fico verdadeiramente feliz por ainda haver quem não viva para followers/patrocínios/likes/views mas sim,para ser verdadeiro. :)
    Continua a escrever sempre,com mais ou menos frequência o que interessa é que seja em bom...tal como este texto.Parabéns.


    p.s: Foi através de um texto que fizeste aqui que descobri o livro Shantaram. Li o livro e é absolutamente magnífico!

    ResponderEliminar

i always wonder why birds choose to stay in the same place, when they can fly anywhere on the earth..then i ask myself the same question'
' She had no place she could go without getting tired of it and because there was nowhere to go but everywhere, keep rolling under the stars'