Nav

terça-feira, 19 de julho de 2016

JUST ANOTHER ORDINARY DAY




When you're at the verge of your 30's, always comes up some kind of existencial doubt. If you're a woman and your status is single, no kids, without purchased home, without an employment contract and you're not even sure about what you're going to do with your life, then, my dear friend, you are in a  crisis.
So far, it's easy to get where you at. However,  to search for a Life Coach, a psychologist, it may be an idea to consider. The truth is that, in our days, we all should have some kind of psychological backup. In my case, some help to 'think outside of the box'.
It is possible to compare the whirlwind of emotions, ideas and doubts to the room of a teenager when she's in love and in exam's season. Her socks in the drawer where usually goes the underwear, stacked sheets all over the floor, the chair that your mother sent to line matching the bedroom's quilt is, at the moment, unnoticeable coz you have about 20 pieces of clothing covering it.
I feel like I've opened several drawers at the same time and I'm having a real hard time at organizing them and deciding which ones I should shut first. Have any of you ever felt like this before?

Nothingness begets nothing, so, almost everything must have a logic but the truth is that we not always live like this. Many time we are numb or we just simply exist.
I've lived like this for a long time after my mom's premature departure. The reality is that I've never overcome her death. Will I be able to, someday? After all, I've lost in just one day, my mother, my best friend, the only being that ever loved me unconditionally. All this without anyone of us, being prepared for this one way trip.
One day you wake up and that person who always held your hand, your first skin touch, smell, sound and love, has left you forever. Our love goes up to infinity and beyond but missing her can only be compared to the Cosmos. I've become more cold, more distant but it is my way to run away from the pain.
I was lucky enough to be able to not just sit and cross my arms. I have  fought , in my own way. I've mourned the way I found it was the most worthy way to do it,  I've cried by myself and smiled each time I've hugged the memories, all of them, all overflow with love.
I sank myself into work, I'd rather be beaten by tiredness than by sadness. The balance needed to be balanced, but, not always I've achieved it.
There's times all of us need a Mother.
Has been 5 years, this week, that I've lost my biggest love.
Has been 5 years since I've lost half of myself.
Nonetheless, it has been 5 years of good and bad moments and many joys.
Remember, there’s no good that lasts forever nor evil that never ends. Therefor, every time you feel lost, soaked in doubts and fears, rest assured that it will end.
It is needed for all of us to go through  tests of faith, strength and living so we can find the right path to follow or at least for us to understand that we are alive but that we are extremely vulnerable.


We need to love, every single day of our lives.






PT

Quando estás quase a dobrar os 30, surge sempre alguma dúvida existencial. Se és mulher, o teu estado civil é, solteira, sem filhos, sem casa comprada, sem um contrato de trabalho, nem tão pouco tens certeza do que vais fazer da tua vida, minha amiga, estás em crise.
Até aqui, é fácil chegar. No entanto procurar um life coach, um psicólogo, pode não ser uma ideia a descartar. Na verdade, nos tempos que correm, todos nós devíamos ter algum tipo de acompanhamento psicológico. No meu caso, uma ajuda, para me ajudar a ' thinking out of the box'.
É possível comparar o turbilhão de emoções, ideias, dúvidas, a um quarto duma adolescente quando está apaixonada e em época de exames. Meias na gaveta das cuecas, folhas amontoadas, espalhadas pelo chão, o cadeirão que a tua mãe mandou forrar a combinar com a colcha da cama, neste momento é impercetível, tens cerca de 20 peças de roupa a tapá-lo.
Sinto que abri várias gavetas em simultâneo e estou com bastante dificuldade em organizá-las e decidir quais devo fechar primeiro. Já se sentiram assim?


Um nada, gera um outro nada, portanto, quase tudo deve ter uma lógica, mas a verdade é que nem sempre vivemos deste modo. Muitas vezes andamos adormecidos, ou simplesmente, existimos.

Vivi assim durante bastante tempo, após a morte da minha mãe. A verdade é que nunca superei a morte dela, Será que algum dia conseguirei superar?
Afinal de contas, perdi no mesmo dia, a minha mãe, a minha melhor amiga, o único ser que me amava incondicionalmente. Tudo isto sem estarmos preparadas, tanto eu como ela, para esta viagem sem volta.
Um dia acordas e aquela pessoa que sempre te segurou a mão, o teu primeiro toque de pele, cheiro, voz e amor, deixou-te para sempre. O nosso amor é até ao infinito e mais além, mas a saudade poderá então ser comparada ao cosmos.
Tive a sorte de conseguir não cruzar os braços, lutei à minha maneira, fiz o luto do jeito que achei digno fazer, chorei sozinha e sorri cada vez que abracei as memórias, todas elas, transbordaram amor.
Agarrei-me ao trabalho, preferia ser vencida pelo cansaço do que pela tristeza. Foi preciso manter a balança equilibrada, mas nem sempre consegui.
Há alturas em que todos nós precisamos duma mãe.
Fez 5 anos esta semana que perdi o meu maior amor.
Há 5 anos que fiquei sem metade de mim.
Foram 5 anos de bons e maus momentos, de muitas alegrias, mesmo assim.
Nunca se esqueçam que não há mal que sempre dure, nem bem que nunca acabe. Por isso, sempre que se sentirem perdidos,  embebidos em dúvidas e receios, tenham certeza que vai passar.
É preciso que todos passemos por testes de fé, de força, de vida, para que encontremos o caminho certo a seguir ou que pelo menos, percebamos que estamos vivos mas que somos muito vulneráveis.
É preciso amar, todos os dias.


4 comentários :

  1. Que bom voltar a ler as tuas palavras!O tempo ajuda muito,as saudades são imensas mas os momentos bons que vivemos com as nossas mães vão ficar para sempre dentro do nosso coração!Beijinhos Filipa!

    ResponderEliminar
  2. Também perdi o meu pai há seis anos e meio, tinha eu uns fresquinhos 21 anos. Ele era tudo para mim. Entrei em depressão profunda e só consegui aliviar as coisas quando resolvi procurar ajuda médica. Ainda não consegui superar. Acho, de verdade, que nunca irei conseguir superar. Mas, neste momento, também quase a dobrar os 30, como tu, sinto-me um pouco mais equilibrada. Este ano sinto que dei mais um passo em relação à revolta que ainda sinto por tudo o que aconteceu. No entanto, isso também me ajudou a ser mais forte e a dar valor a coisas que antigamente não dava e a mudar a minha visão das coisas. Tudo o que envolvia vinganças, rancores, egoísmos e mesquinhez foi deixado para trás. Isso não importa. O que importa é olhar para a frente. Como dizes, "é preciso amar, todos os dias". Força.

    ResponderEliminar
  3. Só quem passa por tamanha dor, consegue entender. Um grande beijinho. Força <3

    ResponderEliminar
  4. É sempre bom ler-te.
    "procurar um life coach, um psicólogo, pode não ser uma ideia a descartar." Sem dúvida e para vários assuntos. Obrigada por te "dares a conhecer" e permitires que muitos nos reencontremos nas tuas palavras.

    ResponderEliminar

i always wonder why birds choose to stay in the same place, when they can fly anywhere on the earth..then i ask myself the same question'
' She had no place she could go without getting tired of it and because there was nowhere to go but everywhere, keep rolling under the stars'