Nav

domingo, 21 de fevereiro de 2016

RIO COM AÇÚCAR



Há muito a dizer do Rio. Há muito a dizer do Leblon, desta bolha mágica. Quero dar os parabéns, a todos os moradores do Leblon que têm animais de estimação. Vejo os cães muito bem tratados, a maioria velhotes, a serem passeados pelos donos ou pelos dogwalkers. Foi uma das coisas que mais me surpreendeu, porque tinha a ideia de que encontraria muitos cães abandonados pelas ruas. Mas, tenho a certeza de que se aparecer por estas ruas, um cachorro abandonado, a precisar de ajuda, as pessoas não vão virar as costas e ignorar de forma tão 'banal' e 'fria'' como fazemos em Lisboa.




Chove muito aqui, mas eu não consigo deixar de achar isso mágico. Nunca fui uma fanática do Brasil, tão pouco do Rio de Janeiro. Nunca foi prioridade, nunca me deslumbrou nenhuma foto ao ponto de dizer- 'Quero ir'!

Mas, há mais de dez anos que acreditava ser importante fazer uns cursos aqui, conhecer o Rio, mais não seja, por ser ter a melhor indústria de novelas do Mundo, a meu ver.


Lembro-me que há dez anos atrás, eu queria fazer uns dois meses intensivos de curso na Projac. Mais tarde percebi que não é fácil e pesquisei melhor acerca da Projac. Então o que havia, pertinho, era a Oficina de Atores, mas não era da Projac. Mas eles arranjavam uma forma de parecer dúbia essa questão, ou seja, ficávamos na dúvida.


Os anos foram passando. Há cerca de 6/7, descobri onde queria estudar, nada mais nada menos, na escola onde estou. Para mim, uma das melhores, mas não devemos cair em ilusões.


Cada vez mais acredito que por muita formação, estudo, técnica, um ator tem de nascer com algo. Não sei se perdi o meu excesso de humildade que tinha, algures , aqui. Mas se isso aconteceu, agradeço. Porque até aqui, posso garantir-vos que em Portugal, o que as pessoas fazem com a tua humildade, é puxarem-te para baixo, é criticarem, apenas criticar não construtivamente, é acharem que somos todos a mesma merda e como a maioria são uns frustrados, é mais fácil julgarem-te e fazerem sentir-te uma merda inútil.


Bom, a verdade é que agora, até que me provem o contrário, eu sou atriz.Acho que é a primeira vez que digo isto. Não disse em frente ao espelho, não disse em frente a ninguém como devia e vou fazer, muitas vezes, mas basta-me escrever e senti-lo. Aqui, agora. Já! Sou atriz porque tenho algo dentro de mim. Soube que era atriz, numa sala escura, luz de velas, quando questionava Macbeth sobre o seu amor. Quando as lágrimas vieram sem pedir, quando aquele arrepio me percorreu a espinha. Quando ele me tocou. Sim, eu já sabia há mais tempo, soube outras vezes, entre outros olhares, mas esta foi a última vez em que me senti atriz.Não estou a estudar para mostrar nada a ninguém, estou apenas a reconhecer fraquezas, a tentar corrigir falhas, a aprender a viver com as minhas limitações e acima de tudo, a esforçar-me para ultrapassa-las e aprender mais sobre esta arte.


Há quem estude anos e muito saiba sobre teoria, muito saiba sobre o que é ser atriz, mas não é atriz. Poderei não trabalhar como atriz o resto da minha vida. Mas isso não matará a atriz que há em mim. Estou no Rio, para me testar, longe de quem não me deseja bem. Estou no Rio, para conhecer um pouco mais de mim, para voltar menos insegura. Insegurança a mais , mata.Insegura porque não fiz o conservatório, ora vejam. Se fizesse, dar-me-ia resposta rápida e eficaz à questão que me parece às vezes atormentar: ' Onde estudaste para ser atriz? 'Estudei aqui e ali. Estudei vida. Li Shakespeare por paixão, não por obrigação. Estudei pelo mundo. Não estudei em lado algum, mas em todo o lado. Simplesmente não estudei.E quem estudou, quem sabe tudo, tudo, tudo. Saberá realmente tudo? Terá a chave da sabedoria, a reza do sucesso, a paz de espírito e a essência da palavra atriz? Fácil é apontar dedos. Porque todos os temos. Apontem o dedo a vocês mesmos, antes de procurar o erro dos outros, as falhas nos outros. A maior falha é o julgamento do outro em prol da nossa frustração.



Todos nós temos uma aptidão maior para um determinada vertente, os atores, é igual. Uns acabam mais focados no drama, outros na comédia, outros conseguem não criar rótulos e vão tocando em todas as vertentes possíveis, desafiando-se. Um ator, deve desafiar-se. Sempre. Deve duvidar, deve questionar-se. Deve tentar, todos os dias ir mais longe, fazer mais , fazer melhor.Mas é preciso existir um meio-termo. É preciso perceber que existe muitas pessoas com muita técnica que não nos tocam na alma. Porque simplesmente, existe quem se arrepie com um simples olhar. Existe textos que nos deixam perplexos. Mas existem gestos, olhares que nos tocam a alma, sem que seja necessária uma só palavra. É preciso viajar, é preciso descobrirmo-nos, é preciso ajudar o outro, dar de nós, saber dar sem esperar receber e saber acima de tudo, receber aquilo que nos dão, a nossa contracena diária, vivemos daquilo que o outro nos dá. Se for amor, dá-lhe amor, se for raiva, dá-lhe ...amor.


Nós nunca sabemos tudo. Somos um livro aberto. Temos todos, páginas em branco, temos todos frases riscadas, rascunhos, somos todos fruto de erros contínuos e esperanças futuras.


Não cabe julgar quando não queremos ser julgados. Olhar para o nosso umbigo, é das tarefas mais complicadas que podemos dar a nós mesmos. Há quem diga ' É um egoísta. Só olha para o seu umbigo' !


Mas então, olhem para o vosso umbigo, para os vossos pés, paraas vossas maõs também. Reparem naqueles pelos do dedo grande do pé. Tens? Eu tenho, dois ou três.


Reparem nas vossas mãos, na pele macia, na pela seca, nas rugas que começam a surgir. São mãos cansadas? Nas mãos os sinais da vida e do trabalho, não deixam mentir. As tuas mãos, o que dizem elas sobre ti? Serves-te delas apenas para teu beneficio, ou consegues usá-las para ajudar quem precisa de ti?Vai para a rua, repara se alguém precisa que carregues um simples saco de compras do supermercado. Ou dá-te por inteiro. Sai da tua zona de conforto e vai dar-te ao mundo. Viaja por ti, para ti , para os outros e pelos outros. Se já gostava da Diana, mesmo que achasse que ela nunca foi muito á bola comigo, hoje gosto ainda mais.


Ela tem talento, tem estudos, tem técnica, mas tem um lado humano que para mim, importa mais do que tudo o resto e para mim, fará dela, uma das melhores, sempre.


Porque sabe olhar para o umbigo dela, para o umbigo de mais cinquenta meninos, sessenta, cem.


As histórias que todos os dias ouvimos, de atitudes desumanas levadas a cabo por nós, ditos , Humanos, faz-me ter certeza de que é preciso mais Dianas. É preciso mais amor.









Este Post era mesmo sobre o quê????





Umbigos e cães?







Os cães, esses sim, têm dificuldade em olhar para o seu umbigo. Preferem sempre o nosso =)E eu, pelo mundo quero continuar, a julgar-me, a descobrir-me, a aprender a amar-me e amando os outros.

2 comentários :

  1. Parabéns! O conhecimento nao ocupa lugar sempre bom acrescentar algo a nossa formação! Desejo te tudo de bom e muita força porque ser atriz não é de todo uma profissão fácil, o importante é ouvires um não, e nao baixares a cabeça! Beijinhos

    ResponderEliminar

i always wonder why birds choose to stay in the same place, when they can fly anywhere on the earth..then i ask myself the same question'
' She had no place she could go without getting tired of it and because there was nowhere to go but everywhere, keep rolling under the stars'