Nav

domingo, 15 de fevereiro de 2015

UM TEXTO POUCO HUMILDE




Humildade - O verme pisado encolhe-se. Atitude inteligente. Com isso reduz a probabilidade de ser pisado de novo. Na linguagem da moral: humildade." (Friedrich Nietzsche, "Crepúsculo dos ídolos, ou como se filosofa à marteladas", Lisboa, Guimarães Editores, Lda, 1985, pág. 16)




Há quem defenda que só se vai longe na vida, quando se é humilde. Errado. Há quem se auto-proclama de 'humildade em pessoa'. Errado. Há quem confunda humildade com falta de auto-estima. Errado. Há quem não seja humilde e viva bem com esse facto. Já não sei até que ponto será errado. Há quem queira parecer humilde, há quem o seja , sem perceber, sem evidenciar que o é. Há ainda quem ache que a humildade não promove a mudança, não cria dinamismo, por outras palavras, ser humilde não te faz chegar longe. Há quem não precise ser humilde, para ser boa pessoa e ser ao mesmo tempo ciente de que a seu ver, é melhor em tudo. Nós apontamos o dedo, fica mal não se dizer que se é humilde. Mesmo quem não seja, tem de dizer que é. Esta palavra banalizou-se. Fica-te bem dizer que o és, conhecer as nossas limitações, fraquezas e termos bom senso, mas muitas vezes, fantasiamo-nos de humildes, da mesma forma que alguém se fantasia durante o carnaval. Simplicidade e honestidade, não é ser humilde. Ser humilde não é rebaixarmo-nos, muitas vezes dou por mim afazer isto, é irritante, mas dou por mim a fazê-lo de forma espontânea. Não gosto, não quero fazê-lo e o motivo é simples. Quando o fazes, passas por coitadinho ou por falso. Se és bonita e se te queixas que estás gorda, apenas porque para ti, estás e ponto final, as pessoas torcem o nariz, chamam-te palavrões mentalmente, dizem que estás muito melhor assim. Se não és segura de ti mesma, seja naquilo que for, as pessoas vão pisar-te, vão fazer-te sentir pior ainda. Se és confiante, as pessoas vão criticar-te, dizer que és convencida, vão falar mal de ti nas tuas costas, mas meninas, não se preocupem, sabem porquê? - Vão fazer sempre! vão falar sempre mal nas vossas costas. Eu gosto mesmo da pessoa que sou. Não me acho melhor nem pior do que ninguém. Mas porque haverei de me achar pior ?Ser humilde , a meu ver, é seres tu mesma, é seres honesta contigo e com os outros, é assumir os erros, as fraquezas, os medos e é ser generosa para com todos. Quando digo deliberadamente que sou boa pessoa, sou boa pessoa, ponto final. Já errei, vou continuar a errar

Quando afirmo que gosto da pessoa que sou, refiro-me aos ideais, aos valores que me foram incutidos, mas acima de tudo, valores que eu quis assimilar dentro de mim. Amar os animais, é a minha maior virtude, no entanto ainda não consegui amá-los de forma tão incondicional, quanto merecem ser amados. Gostar de animais, nasce contigo. Mas pode ser semeado pelos pais, para mais tarde, ser colhido por ti. Hoje, sou incapaz de desejar mal a alguém, mas quando tinha 15 anos, elaborava planos de vingança para ex-amigas ou ex-paixões. Acabava por esquecer o plano e o motivo pelo qual tinha jurado ódio eterno, dava por mim e perdoar muitas vezes e a voltar a ser o mesmo coração mole que ainda sou. Quando me irrito, levo tudo à frente, ou não fosse eu Touro. Sou muito impulsiva e isso não abona a meu favor. Mas eu gosto verdadeiramente de mim, sabem porquê? Porque aos poucos, todos os dias, eu tento ser melhor, tento praticar o bem, seja de que forma for. Gosto de me deitar e repensar na vida, nas prioridades, nos erros, nos sonhos que tenho e acima de tudo, penso no que fiz de bom e mau naquele dia. Gosto de agradecer a Deus ( mesmo que hoje, não me considere parte integrante de uma religião, mas acredito que existe Deus. Apenas isso me basta). Agradeço à minha mãe, principalmente agradeço aquilo que sou. Não há nada melhor do que deitares a tua cabeça na almofada, fechares os olhos e teres certeza de que não prejudicaste ninguém, saberes que em atitudes simples reside a grandiosidade do ser humano. Se é verdade que não podemos mudar o mundo, é ainda mais verdade de que podemos sim, podemos mudar-nos, podemos ser muito melhores do que fomos ontem. Só assim, mudaremos alguma coisa no Mundo.

Se sou segura destas coisas boas que carrego em mim, sou insegura em tantas outras, inseguranças essas que nada de bom me trazem. Tenho tendência a achar que os outros são sempre melhores do que eu, tenho vergonha em levantar a cabeça e assumir que o que acabei de fazer foi 'muito bom'. Não sou capaz de tratar mal ninguém, a não ser que me tratem, a não ser que seja para me defender. Nem a brincar mando bocas que possam de certa forma, magoar quem as recebe. Mas todos dias levo com bocas. Sabem aquelas bocas que quem as diz, diz a brincar, mas a brincar vai dizendo aquilo que pensam? São dessas. Demorei muito a assumir que sou bonita. Talvez houvesse quem se irritasse por eu não dizer, porque eu não dizia, eu nunca tecia elogios a mim mesma, fosse no que fosse. Mas não deixava de ter um ar convencido, um ar de menina que se acha a última bolacha do pacote. Quando as pessoas falavam comigo, percebiam que eu não era nada daquilo, explicavam-me o que as levava a achar aquilo e eu aos poucos fui tentando mudar isso. Querem saber o resultado? A mesma treta, mas pior ainda.

Se antes era vaidosa e mostrava, passei a esconder-me. Passei a querer passar o mais despercebida possível. A insegurança apoderou-se de mim, tal como o medo de que as pessoas não gostassem de mim. Ora raios!!!! Porque haveriam de gostar? Porque é que tenho de viver preocupada com isso? Nunca vou conseguir que toda gente goste. Adoptei inconscientemente uma postura física feia, de defesa, postura essa que preciso contrariar para ser atriz. Quando coloco saltos, essa postura atrevo-me a dizer, desconsolada, desaparece. Mas durante o dia-a-dia, volta, muitas vezes até volta em força, apodera-se de mim, encolho-me e mostro o quão insegura sou. As pessoas gostam de pisar quem é inseguro e quando detetam as tuas fragilidades, estás literalmente fodida. Ou talvez não.

Primeiro há que descobrir onde estão as nossas lacunas, onde moram os nossos medos e acima de tudo, descobrir se queremos mudar alguma coisa ou não. O próximo passo é fácil, é mudar o que está errado, mesmo que possa ser, simplesmente, a forma como lidamos com os outros. Muitas vezes, mais vale passares por arrogante ou pretenciosa, do que seres a miúda que ouve e cala. Por isso é definir bem na tua cabeça o que queres para ti, para a tua vida. Se queres ser respeitada, tens de respeitar todos, mas acima de todo, dares-te ao respeito. Isto muitas vezes, implica dares uma resposta daquelas assertivas. É preciso delimitar o espaço que cada um tem na nossa vida.

Nunca ou raramente sou criticada por alguém que é seguro de si. Quem se sente bonita, de bem com a vida, quem sabe o lugar que ocupa na vida de quem a rodeia e quem sabe que pode partilhar o pódio, raramente tece criticas a outras mulheres. Quem o faz, geralmente, é quem esconde a insegurança, quem se sente ameaçada por ti. Quem julga que lhe podes fazer sombra. Ou então, são aquelas pessoas coitadinhas que ninguém as pega, não fazem sombra nem a uma formiga, são seres que deviam olhar para si mesmo, mas ficam a olhar para os outros, numa busca incansável de defeitos.

Eu vou ser eternamente ' uma gaja fútil'. Pior é quem acha que fútil, não somos todos. O que pode ser fútil para mim, pode não ser para ti e vice-versa. Ora, por futilidade, entenda-se :




futilidade (latim futilitas, -atis) _s. f. _qualidade do que é fútil, pouco valor, ninharia.




" Olhando para definição de futilidade, não vejo uma definição absoluta do termo. Esta definição é mutável no tempo, pois as necessidades das pessoas mudam e, o que não tinha valor, passa a ter e vice-versa. O que nós entendemos por futilidade então?

Pelos vistos, para Judite, ser fútil é ser rico, muito rico e não ajudar socialmente (seja lá o que ela define como ajudar socialmente), ser fútil é ser rico, andar de carro e querer continuar a pilotar, ser fútil é ser rico e querer gastar dinheiro na sua própria festa de anos. Ora, para mim, esta é uma definição de futilidade ambígua. Judite não deve receber o ordenado mínimo, certamente, para que ela quer então o dinheiro que recebe a mais? Ela própria não compra futilidades? Onde está o trabalho “social” dela? Mas passando à frente…"

Para lerem este texto, cliquem aqui. ( aconselho)



E vou ser fútil porquê? Porque sou gira, porque digo que estou gorda, porque não gosto das minhas pernas, porque compro roupa às vezes, porque adoro animais e meto imensas coisas de animais no facebook, porque quando acho que alguém está giro, digo sem problemas, porque ' a inveja é um sentimento muito feio', porque quando vou trabalhar não me meto a falar sobre coisas interessantes, mas na realidade conto por uma mão as vezes que ouvi alguém a ter alguma conversa interessante ali. Claro que as devem ter, claro que as tenho, mas acima de tudo, o que pode ser interessante para mim pode ser inútil para ti. Ser fútil era se eu perdesse o meu tempo a falar da vida dos outros, tentasse apontar defeitos aos outros, em vez de me preocupar com a minha vida. Isto sim é ser fútil. Tenho um blog. Meto looks, logo sou o quê? fútil. Não estudei no conservatório ( Escola Superior de Teatro e Cinema), mas pretendo ser atriz? então sou... isso mesmo, sou fútil.

Secalhar, se eu comecasse a falar sobre as últimas pesquisas e estudos sobre o Kepler-186f, essas pessoas que adoram mandar bocas, iam sentir-se burras, pois na verdade, não fazem ideia do que é! Bem mas pronto, cliquem aqui e ficam a saber!

Com esta é que eu vos tramei não foi? Se calhar a miúda até lê algumas coisas, além de ver o 'vampire diaries' ! Fica bem dizer que vejo ' the big bang theory'??? Vejo, mas não sigo frenéticamente, como sigo o 'walking dead' ! Calma, eu adoro 'Game of thrones', adoro 'Dexter'... estou a ver 'house of cards' e ' breaking bad', mas sim, sim gosto de séries como o 'Arrow'!!!! E depois?

Vi ' lost', vi ' prison break', significa que sou o quê? !! Será que preciso criar um blog intelectual para provar que eu até sei algumas coisas? Errado. Já leram há uns anos ' O meu pé de laranja lima', ' o velho e o mar', o 'principezinho' ??? Duvido, mas então, este último, ensina muito! Pois essas pessoas deviam ler mais, ler melhor, quem me dera ter tempo para ler mais. Leio tão pouco. Mas gostava de perguntar a quem se acha menos fútil por conhecer muita música alternativa, por ir muito mais do que eu ao teatro, por sair mais à noite ou porque percebem de arte urbana e eu nem por isso, se conhecem Henry David Thoreau, fazia-vos tão bem conhecer! Quando leram, 'O Processo' de kafka, o que perceberam?E Descartes? é complicado ler?

Querem que faça um post sobre tudo o que já li ou o que quero ainda ler? Filmes? Sabem o que é a 'Traviata'??? Eu sei, vejam lá que até participei em miúda. Não é ballet, é Ópera. Posso achar-vos fúteis por não irem à Ópera? Posso achar-vos fúteis porque não viram os bailados que eu vi? Os grandes clássicos de bailados como ' O quebra nozes' e ' O lago dos Cisnes' de Tchaikovsky. Não estou a falar de Tchekhov, pessoal do teatro, estou a falar de Tchaikovsky. Pois eu conheço as músicas e as histórias destes bailados, de olhos fechados. Com isto quero apenas dizer que nós somos diante dos olhos dos outros, aquilo que os outros quiserem e não apenas, aquilo que queremos ser. Para se ter conversas interessantes são precisos mais do que um orador. Falando de Tcheknov, quem quer ser atriz tem de saber muito acerca deste dramaturgo Russo, confesso que não conheço muito. Também não estudei teatro, mas quero estudar, quero saber mais, quero saber fazer melhor. Podia falar-vos do stanislavsky, mas não sou de todo, a melhor pessoa para o fazer. Pois bem, isto para quem estudou, para quem está por dentro do assunto, é tão interessante como é para o Padeiro, falar de uma nova receita sua. É preciso entender isso. Mas quando não és a melhor a falar sobre um determinado assunto, quando gostas de saber um pouco de tudo, quando também gostas de falar sobre unhas, sobre comida, tornas-te fútil. Ora és fútil, ora és humilde demais, se bem que para mim, falar de comida, é bom!

Voltando ao Tchékhov, vocês que nunca conversaram comigo, mas já ' trocámos muitas palavras', em conversas ocas, apenas por culpa minha, espero. Já agora digam-me uma coisa, sabem quem é Tolstói??? Aquele que escreveu ' Anna Karenina', ele não gostava das obras de Shakespeare, bem isto foi uma mera curiosidade.


Lembrei-me agora do Tolstói, confesso que gosto dele, porque gosto do filme 'into the wild' e há uma ligação.


Bem, estou com fome, vou jantar. Vou jantar de fato de treino, como ando na maioria dos meus dias por duas razões : 1- Para não ferir susceptibilidades / 2- porque adoro estar confortável.





7 comentários :

  1. Adorei o texto e revi-me em muita coisa. Um beijinho e boa semana ;)

    ResponderEliminar
  2. Obrigada sandra, boa semana para ti também :)

    ResponderEliminar
  3. Bem, depois de ler o texto que, diga-se em boa verdade, ADOREI,..... reflecti um pouco e, sem dúvida, revejo-me em muitas coisas. Coisas essas, na grande maioria, quando era mais jovem....mais ou menos da tua idade. Agora com 56, quase 57 anos,..faço a 10 de Maio!!!!! Como vês, também sou Touro, o que por si só explica muita coisa e a razão de me rever em muitos dos teus apontamentos. A vida "obriga-nos" a mudar algumas coisas, outras mudamos porque vamos aprendendo aqui e ali e vamos limando arestas. Vamos, por assim dizendo, "MOLDANDO-NOS", à vida, talvez mais para nosso conforto perante a sociedade, perante as nossas responsabilidades e de acordo com o ambiente familiar que construímos, mas sem nunca perdermos a nossa essência.
    Olhando para trás, para tudo o que fiz, que alcancei, todo o bem que fiz, principalmente na educação dos meus filhos, em quem tenho muito orgulho.....acho que fiz um bom trabalho de mãe ( mãe amiga, companheira, confidente, carinhosa, protectora, refilona quando tinha que o ser, mas, no fundo e resumindo, acho que resultado é bem positivo......). Também fiz asneiras, sem dúvida. Algumas poderia emendá-las....outras, acho que não podia nem queria, porque afinal elas ensinaram-me muita coisa. Fui muitas vezes chamada de "manienta" (termo que se aplica no Alentejo, porque moro no Porto, mas sou de Beja), nariz empinado, etc. Mas engraçado, acho que nada disto era verdade....era só uma "capa", porque, na altura, tinha complexos pela minha altura. Meço 1,72m e era a rapariga mais alta do Liceu de Beja e poucos rapazes eram mais altos do que eu. Chamava à atenção, por isso e porque era engraçadita, ehehehe , não era feia de todo.!!!! Mas tinha tantos, mas tantos complexos de ser alta, que ninguém imagina!!! Sempre fui muito alegre e brincalhona e acho que a minha voz se ouvia mais que as outras....lá estava eu no centro das atenções, sem querer ( o meu falecido avô paterno, ouvia muito mal, o que nos obrigava a falar um pouco mais alto, mas o meu timbre de voz, também é um pouco assim). Lá ouvia eu, por entre dentes " Pronto lá esta ela.....e os burros dos rapazes todos a olhar para ela". Na altura não achava grande piada, mas hoje a recordar e a falar com amigos e amigas do meu tempo, farto-me de rir e, tenho amigos/as, para a vida e que sei que me admiram e adoram e eu, igualmente.
    Quanto ao fútil, não concordo que tenha nada a ver com posição social, nem nada do género. Não sou rica...tenho a vida organizada, graças a Deus. Os meus três filhos estão formados e bem na vida, mas não posso dizer que sou rica. Se calhar, pegando nas palavras que foram mencionadas de ter carro e dinheiro e tal....se calhar fui um pouco fútil. O meu avô paterno, era dos lavradores mais ricos do Alentejo....aliás tenho aqui um quadro, de 1950,.....ainda eu não tinha nascido.... que tenho pendurado na minha parede com muito orgulho,....que é uma homenagem ao meu avô, do Presidente da Federação Nacional de produtores de Trigo, como sendo um dos maiores produtores de Portugal. O meu pai que faz 90 anos, dia 23 deste mês, com 20 anos já tinha carro......uauuuuuu, queres ver que eu sou fútil e não sei????O ser fútil, é um termo que muita gente usa e que eu acho que não sabe muito bem o que quer dizer. Fútil, é ter dinheiro, carros etc? Não, nada disso, ser fútil é uma coisa COMPLETAMENTE diferente! Basta ver o significado da palavra no dicionário.....isso é ser fútil....pelo menos na minha perspectiva, não, o ter ou deixar de ter isto ou aquilo e andar de carro ou não andar, etc.não é ser fútil.

    ResponderEliminar
  4. Bem, não pude completar o meu comentário acima, porque era demasiado extenso, mas passo a escrever a parte restante.
    A humildade é para mim uma palavra muito ambígua, porque eu achava que era humilde, mas vendo bem as coisas, a humildade passa mais por sermos nós mesmos,......naturalmente, sem pensarmos, sem contornos, sem fazermos isto ou aquilo, para os outros nos acharem humildes. Não sei se sou humilde, sei que sou eu mesma. Sei que a minha personalidade se consolidou com o passar dos anos. Sei que estou sempre pronta a ajudar ( quiça demais, às vezes, mas sou mesmo assim!). Se poder fazer algo por alguém, faço sem pensar duas vezes. Adoro, amo de paixão os animais e trato-os com o maior carinho e como se de uma pessoa se tratassem e, para terminar, porque já vai longo o testamento, só queria acrescentar uma última coisa. Achei giríssimo, Filipa e dei uma gargalhada, quando disseste:" Quando me irrito, levo tudo à frente ou não fosse eu do signo Touro". É isso mesmo. Eu sou igual. Tenho paciência de Jó, mas quando me irrito, é fugir da frente. Sou tipo Tsunami! Depois de passar a tempestade e de falar irritada, com os meus botões e dizer que nunca mais faço isto , não faço aquilo, blá, blá, blá....o mar acalma e fica flat!! Parece uma piscina e faço tudo e mais alguma coisa!
    Bem, Filipa, só tenho que te dar os parabéns pelo teu texto....lindo! Olha o que ele me fez escrever, eheheh?. Bjs, minha querida. NUNCA te arrependas de seres como és. És maravilhosa e linda!!!

    ResponderEliminar
  5. Adorei o texto Filipa! Percebo perfeitamente o que tas a dizer. Não te acho fútil, antes pelo contrário. Um beijinho e votos de muuuuuitoooo sucesso ;)

    ResponderEliminar

i always wonder why birds choose to stay in the same place, when they can fly anywhere on the earth..then i ask myself the same question'
' She had no place she could go without getting tired of it and because there was nowhere to go but everywhere, keep rolling under the stars'