Nav

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

POOR CHARLIE

Não sei se o mundo se tornou sério demais para aceitar o humor como algo não prejudicial, ou se tornámos o nosso mundo num palco de tragédias. Será que deixámos de separar a ficção da realidade e achamos que podemos fazer tudo aquilo que nos apetecer. Poder, até podemos, mas sem tirar a vida a ninguém. Porque a culpa não é do Mundo, ele já existia antes de nós o corrompemos, adulteramos a sua essência em prol daquilo que julgamos ser o melhor para nós. 


Nós? seres dotados de poder supremo, passamos a vida a apontar o dedo aos outros, a culpar o Governo, a encontrar defeitos em tudo, menos em nós próprios. Muita coisa se escreve, se diz, se comenta com a qual não concordo, até mesmo sobre mim, mas vou desatar aos tiros? Até pode passar pela nossa mente, na realidade já passou pela cabeça de todos nós, apertar o pescoço a alguém, uma vez que seja na vida. Mas, isso não faz de nós psicopatas, não nos define como monstros, porque sabemos distinguir o bem do mal, o certo do errado, pelo menos, devíamos saber.
Estudei jornalismo, conheço jornalistas que escrevem sobre o que gostam, outros nem tanto. É uma profissão bonita, digna e muitas vezes é desrespeitada. É verdade que se deturpa muita coisa que dizemos, é também verdade que já li coisas que supostamente tinha dito, e na verdade não o disse.
É verdade que eu mesma já 'critiquei' pessoas sem as conhecer, apenas porque escreveram algo num forúm que não gostei. Não me importa que escrevam mal de mim, claro que ninguém gosta, mas na altura fiquei chateada quando vi que não estavam a dar oportunidade tanto a mim como a alguns colegas de mostrarem aquilo que podem valer e achei que não entendiam que o nosso trabalho é executar bem o papel que nos dão, ponto. Mas não o devia ter feito, porque realmente, todos nós temos direito a ter liberdade de expressão.E muita coisa que também li na altura, concordei. Mas quando aquilo que é escrito pode ter uma repercução maior, à escala Nacional e até Mundial, é preciso ter cautela, mas se vivemos numa Democracia, temos direito à liberdade de expressão.Aquilo que aconteceu no jornal Charlie Hebdo é surreal!

A revista já havia sido alvo de uma ataque no passado após publicar uma caricatura do profeta Maomé, o que irritou os muçulmanos. Fontes judiciais ouvidas pela France Presse confirmaram a morte de 4 importantes cartunistas franceses no ataque: Wolinski, Charb, Cabu e Tignous.


Doentio, não encontro outra palavra para descrever este atentado.É triste perceber que existem pessoas capazes de tudo, mas isto eu já tinha percebido há muito tempo, porque para mim, quando se maltrata um animal inocente, uma criança, somos capazes de qualquer ato de barbaridade. Condeno todos os atos de vandalismo, violência e terrorismo. Há formas de lutarmos pelos nossos direitos, a palavra pode ser muito forte, assim como o silêncio, mas ninguém tem o direito de tirar a vida a outro ser. Muito menos por prazer, ou porque não está de acordo com algo. Muitas vezes pensamos numa revolta, achamos que o Povo é quem mais ordena e se todos nós Portugueses nos revoltassemos contra o sistema, muita coisa mudaria. Mas somos cobardes e temos receio daquilo que possa acontecer.
A verdade é que a maioria, vive conformada com aqulo que os outros escolhem para nós. Perdemos tempo a condenar tudo e todos, mas devíamos guardar as palavras e agir. Ora queixamo-nos de falta de empreendedorismo , ora queixamo-nos porque os jovens criaram marcas da treta, mas afinal, tentaram certo? Quem somos nós para maldizer? Votamos não votamos? colocamos no poder, quem lá está. E depois? queixamo-nos. Passamos a vida a queixar, quando damos por nós, a vida passou-nos diante dos olhos.
Espero realmente que quem fez isto, seja punido, porque se saírem impunes, muitos mais atentados vão acontecer, não só lá.

 

  A violência não é 'a' resposta. Nunca foi. Não é, nem nunca será!














3 comentários :

  1. Concordo plenamente com tudo o que disseste. Ninguém têm o poder de tirar a vida a ninguém. Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Completamente de acordo, Filipa. Fiquei em choque com esta notícia. Como é possível alguém, tirar um bem tão precioso e curto, como a vida, a outro ser? Ainda me revolta mais porque praticam estes actos de extrema violência, horror a atrocidade em nome de ALGO, quer Ele seja Deus, Alá, Maomé, Buda....whatever, que não pode defender-se! Para quem acredita em Deus ( eu acredito em Deus, outros acreditam no que quiserem, porque somos livres de encarar essa situação, da maneira como entendemos e que mais condiz, com a nossa maneira de pensar ), já li a Bíblia e em página nenhuma, vejo Deus apelar para que se mate o nosso semelhante. Posto isto, a única conclusão que tiro, é que as pessoas que praticam estas atrocidades, são pessoas frustradas, sem o mínimo de respeito pelo ser humano e pelos animais e, quiça,..... sem respeito por eles próprios. É fácil, cometer uma loucura horrenda e culpar ou fazê-lo, em nome de ALGO OU ALGUÉM, que não pode vir dizer nada em sua defensa! Diria que são loucos, que no lugar do coração têm uma pedra e no lugar do cérebro, têm um monte de lixo, mas acho que ao chamar-lhes LOUCOS, isto é um elogio, porque é uma palavra demasiado suave para classificar esta situação abominável e horrenda!!!!Não sei mais que dizer,..........só sei que estou com a alma em sofrimento, porque não encontro, NADA, que seja capaz de justificar esta loucura! É triste....muito triste! Bjs

    ResponderEliminar

i always wonder why birds choose to stay in the same place, when they can fly anywhere on the earth..then i ask myself the same question'
' She had no place she could go without getting tired of it and because there was nowhere to go but everywhere, keep rolling under the stars'